quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

A ENERGIA SOLAR CHEGA AO ZACA

O professor Ismerindo recebe a visita de um ex-aluno do Ensino Médio. Após uma conversa o Zaca entre na Era da Energia Limpa. Será utilizado, por exemplo, para carregar os celulares dos aluno...


O professor Ismerindo recebe a visita de um ex-aluno e surge um novo projeto no Zaca. Ele faz um relato de todo o processo. Veja como foi:


Lucas e Maurício carregando o painel para colocação (25/11/2017)

No final do ano de 2016, depois de muitas tentativas de contato, Thiago, ex-aluno meu da  E.E. José Lins do Rego no ano de 2007, consegue finalmente falar comigo no face book. Numa conversa rápida ele me disse que estava com uma empresa de tecnologia e me agradeceu por ter incentivado tal escolha na carreira. Disse que o mérito maior fora dele. Sei que nós Professores de Física não conseguimos fugir de um bom debate sobre os avanços tecnológicos que essa ciência tem permitido. Lembro-me que um objeto permanente no meu discurso tem sido, há muito, a questão das energias alternativas. E o Thiago sempre levou à sério esse assunto, tanto que naquela conversa ele me disse: -Professor! Vamos montar um painel de energia solar na Escola? Pensei, inicialmente que seria na E.E. José Lins do Rego, mas ele sugeriu que fosse na EMEF Mauro Faccio Gonçalves Zacaria, onde estou assistente de Diretor. Eu retruquei – Mas fica caro! E ele – eu dou um painel. E eu - nesse caso, vou só pedir autorização do Diretor Wagner. Ficou acertado que em breve eu daria a resposta. Finalizando a conversa, fui convidado para ir à casa do pai dele, na vila Gilda, periferia da Zona Sul de São Paulo, nas proximidades do Jardim Ângela, para conhecer o que eles haviam feito lá, concordei, duas semanas depois Thiago passou em casa e eu fui com ele e a esposa. Lá, já havia um conjunto com quatro painéis solares e duas baterias, alimentando grande parte do consumo energético da residência. 

Não demorou mais duas semanas e o painel chegou na EMEF Zacaria, já com o aval positivo do Diretor Wagner. Planejamos como montaríamos o conjunto, faltava a bateria, a qual eu doei. Nossa proposta inicial era realizar uma atividade educativa com os alunos. Minha proposta era fazer um sistema para carregar celulares  dos alunos.  Passei nas salas e falei com os alunos, os trouxe para ver como o sistema funciona, e expliquei a proposta, eles ficaram animados. Numa sala, um aluno questionou o porquê de carregar celular? Eu conversei com eles que a energia das salas de aula não é de propriedade particular nossa, mas sim para uso nas atividades escolares, uma vez que alguém a usa para carregar seu próprio aparelho é uma espécie de desvio do alheio.  Por fim, concordamos que a proposta era viável. Começamos então a trabalhar com as noções de energia: tipos e meios de obtenção. Trabalhamos essas noções com os alunos dos sétimos e oitavos anos. 

O Diretor Wagner encomendou o suporte para fixação do painel e o armário para acomodação dos celulares. Eu comprei a fiação e as tomadas para o armário.

No dia 25 de novembro de 2017, com a colaboração de Thiago e alguns alunos, fixamos o painel em um poste no pátio externo. No dia 2 de dezembro de 2017, eu e mais alguns alunos, fizemos o circuito das tomadas no armário e pusemos para funcionar.

Cada uma das 20 tomadas está sendo alimentada atualmente com tensão de 220V.







Alunos assistindo a uma apresentação de onde seria colocado o armário para carga dos celulares e discutindo as regras para o uso desse armário (novembro de 2017).





Painel fixado no pátio externo da EMEF Zacaria, 
em 25/11/2017




Fotografia tirada por drone guiado por Thiago, de camiseta branca (25/11/2017)




 


Armário após fixação, comportará 16 compartimentos  para celulares, 4 para aparelhos maiores como tablete e dois para a bateria e componentes de conversão da tensão de 12 V da bateria para 220V para as tomadas.




A energia da bateria foi utilizada no dia 7/12/2017 durante uma reunião da Associação de pais e mestres e Conselho de Escola, a energia da rede externa acabou, mas a reunião continuou com iluminação da bateria, foi usada uma lâmpada de LED de 32w (ao fundo).




Alunos brincando com a lâmpada de LED após a fixação do armário.
(Pedro, Mauricio e Lucas – 02/12/2017) 


domingo, 3 de dezembro de 2017

O PROVE homenageia seus formadores

O PROVE completa 20 anos e homenageia vários de seus formadores com a presença do escritor Edson Gabriel Garcia


Nos 20 anos do PROVE vários formadores foram homenageados por sua dedicação ao projeto. A professora Olgair lembrou de vários momentos e como cada formador entrou neste projeto. 

Uma homenagem foi especial. A professora Maria José Nóbrega, que é formadora desde o primeiro PROVE, recebeu um álbum com os registros das formações. 

Foram 20 anos, mas a expectativas é que dure muitos anos.

Veja o vídeo:


    



Cobertura: Imprensa Jovem do Zaca
DRE - Campo Limpo


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Revista PROVE - Ano 16 - nº 16 - 2017

O PROVE  completa 20 anos. Difícil imaginar um projeto de formação do educador, de iniciativa de um pequeno grupo de escolas públicas, tenha tanta longevidade.  

Aguarde carregar, clique na imagem e leia a revista:


Intervenção: Corpos Presentes

Pensar as questões que implicam o gênero e a sexualidade requer olhar para aquilo que materializa o discurso ou se perfaz por meio dele: o corpo

Este foi o começo do texto que está na Revista PROVE 2017. Com a coordenação do professor Marcos Cesário, o grupo se apresentou durante o seminário com o título "Intervenção: Corpos Presentes" e chamou a atenção de todos.

Veja o vídeo da apresentação do grupo que aconteceu no período da manhã e tarde do seminário:






Cobertura: Imprensa Jovem do Zaca
DRE - Campo Limpo






O PROVE conversando com a Professora Maria José Nóbrega "Mazé"

O protagonismo da Professora Maria José Nóbrega num projeto de formação do educador que tem como princípio o reconhecimento do valor de professores e professoras na escola pública


A professora Maria José Nóbrega, carinhosamente chamada  "Mazé" está no PROVE desde 1997, ou seja, está presente desde o início do projeto.

Este ano ela conversou com a Revista PROVE. A conversa faz refletir sobre a educação e o trabalho desenvolvido pelo PROVE.



Veja como foi esta conversa. Você pode assistir ao vídeo ou escutar no SoudCloud.




ou veja o vídeo:


Cobertura: Imprensa Jovem do Zaca
DRE - Campo Limpo


domingo, 26 de novembro de 2017

Palestra Olgair Garcia - PROVE 2017

A professora Olgair Gomes Garcia fez a palestra sobre o reconhecimento do valor de professores e professoras, contou um pouco sobre o surgimento e desenvolvimento do PROVE neste processo de reconhecimento. 




A Imprensa Jovem do Zaca fez uma entrevista com a professora




Cobertura: Imprensa Jovem do Zaca
DRE - Campo Limpo

Apresentação Musical - Seminário PROVE 2017

Apresentação musical com os alunos do curso de violão, ministrado pelo músico e professor Thelo Campos, e com os alunos e alunas do curso de espanhol, ministrado pela professora Lidineia Franklin Barreto de Almeida. 

Foi um momento de vibração entre todos os participantes do seminário.

Veja o vídeo:




Cobertura: Imprensa Jovem do Zaca
DRE - Campo Limpo

O Guerreiro Invisível: Morando no Brincar dos Contos do Tempo

No XX Seminário PROVE tivemos a apresentação da peça: O Guerreiro Invisível: Morando no Brincar dos Contos do Tempo, com a coordenação da Profa. Wânia Karolis.

Veja como foi: 






Cobertura: Imprensa Jovem do Zaca
DRE - Campo Limpo

Gabriela Chigueira - Nossa ex-aluna - Um grande talento

Gabriela foi convidada para fazer a capa da revista PROVE 2017 e aceitou o desafio
Gabriela - Autora da capa da revista PROVE

Gabriela Chigueira foi a autora da capa ilustrativa desta edição. No momento está no primeiro ano de Arquitetura e Urbanismo na Universidade São Judas Tadeu-Butantã. Ela cursou todo o Ensino Fundamental na EMEF Mauro Faccio Gonçalves - Zacaria, onde desenvolveu muitas atividades voltadas ao desenho em sala de aula e em oficinas. Além disso, três desenhos seus já foram publicados na Revista Prove anteriormente: na 4ª. edição de 2005; na 5ª. edição de 2006; e outro no Prove livros 3 em 2006, que é um desenho de uma biblioteca centralizada no meio da revista que tem um grande grau simbólico para a autora.

Ela nos contou que os alunos e alunas que refletem nos óculos dos educadores (capa da revista) é uma ideia que eles são o reflexo dos seus educadores. Também produziu um vídeo que mostra o processo da construção da capa. Um verdadeiro talento!


Veja o vídeo: 



Gabriela disse: 


“Quero agradecer por ter sido a escolhida para elaborar a capa desta edição para a revista Prove e, também, por participar mais uma vez nesse projeto junto com a Olgair Garcia que me deu essa oportunidade mais uma vez. Foi de fato uma grande honra! Ainda mais sendo um projeto que está completando seus 20 anos. Dedico este trabalho da capa a todos os professores que já passaram por minha trajetória.”


XX Seminário PROVE - 2017

''O reconhecimento do valor de professores e professoras, como princípio orientador de uma proposta de formação do educador na escola pública''


O PROVE não precisa provar nada para ninguém. Completou 20 anos e sempre foi muito difícil cada ano de formação, mas esses 20 anos mostraram que o trabalho realizado por todos foi e é fantástico.

Tivemos o lançamento da Revista PROVE 2017.

Este ano com o envolvimento das escola municipais Profa. Carolina Rennó, Dezoito do Forte, Prof. Mário Marques, Marli Ferraz e Zacaria.

No dia 10 de novembro, o segundo dia do seminário na Emef Zacaria, com diversas oficinas. Logo após as oficinas do período da manhã, aconteceu uma apresentação com o título Intervenção: "Corpos Presentes" sob a coordenação do professor Marcos Cesário. Foi um momento emocionante e cheio de reflexões.

A professora Olgair Gomes Garcia fez a palestra sobre o reconhecimento do valor de professores e professoras, contou um pouco sobre o surgimento e desenvolvimento do PROVE neste processo de reconhecimento. 

Finalizada a palestra a professora Olgair chamou a ex-aluna do Zaca, Gabriela Chigueira, que foi convidada para fazer uma imagem para ilustrar a capa da revista PROVE. Gabriela se emocionou a contar o que o Zaca representava para ela, que fez o esboço do desenho e nos óculos dos professores do desenho estavam representados os alunos, que eram reflexos dos seus educadores.

Vários formadores e ex-formadores do PROVE estiveram presente e foram homenageados, com destaque para a professora Maria José Nobrega, a Mazé, que participa desde o início. Ela falou que ficará no PROVE enquanto ele existir e que não se atrevam em acabar com estes momentos de formação. No início do ano a Mazé conversou com a Revista Prove sobre educação e o projeto.

Após a homenagem, aconteceu uma apresentação musical com os alunos do curso de violão, ministrado pelo músico e professor Thelo Campos, e com os alunos e alunas do curso de espanhol, ministrado pela professora Lidineia Franklin Barreto de Almeida. Foi um momento de vibração entre todos os participantes do seminário.

Na pausa entre o período da manhã e tarde, foi servido um delicioso almoço. Além da comida, foi um momento de confraternização, de colocar a conversa em dia e falar das aprendizagem do seminário.

Para finalizar a tarde, a apresentação da peça do curso Morando no Brincar. Os Guerreiros Invisíveis (ou como disse a Wania Karolis "Guerreiros Visíveis") encerrou o seminário em grande estilo, com emoção e sentimento de dever cumprido.


Esse foi um pouco dos 20 anos do PROVE, mas só estando presente é que se percebe a importância de cada momento. Que o PROVE 2018 chegue logo!!!


Cobertura: Imprensa Jovem do Zaca
DRE - Campo Limpo